sexta-feira, 20 de maio de 2011

Greve dos trabalhadores da segurança pública em Alagoas

Há quase um mês os policiais civis, agentes penitenciários, subtenentes e sargentos estão em greve. Eles se organizaram e criaram o Movimento Unificado dos Trabalhadores da Segurança Pública, formado pelas entidades representantes das categorias.

Alguns acontecimentos desta greve merecem reflexão, entre eles: o discurso do deputado Antônio Albuquerque (PTdoB), no Plenário da Assembléia Legislativa; as declarações do Secretário de Defesa Social,  Coronel Dário César e, do Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Luciano Silva e; a postura do Governador Teotônio Vilela Filho nas entrevistas a imprensa.


Diante da confusão ocorrida no dia 10 de maio, durante o movimento na praça Dom Pedro II, situada em frente à Assembléia, o deputado que menos tem moral para julgar qualquer cidadão como criminoso, usou a tribuna da Casa Tavares Bastos para dizer que os grevistas são vândalos e devem ser responsabilizados criminalmente. Logo quem falou isso? Um sujeito que foi indiciado na Operação da Polícia Federal que investigou o desvio de R$302 milhões da ALE e que até já foi preso por homicídio. 

Antônio Albuquerque sendo preso.

Um ladrão e assassino (segundo informações veiculadas na imprensa) provavelmente tão psicopata que não tem vergonha de abrir a boca para criticar servidos públicos exaltados devido à condição de exploração que se encontram! Já que o dito cujo é pistoleiro e tem as costas quentes, ao invés de dá-lhe severas críticas, todo mundo ou se cala ou evita citar seu nome.
Teotônio Vilela Filho pede voto para Antônio Albuquerque. Foto: TudonaHora
 Não se pode deixar de lembrar que esse verdadeiro criminoso se uniu ao sarcástico Teotônio Filho durante a última campanha eleitoral, em 2010. Ambos se reelegeram, ambos responsáveis direta ou indiretamente pelo aumento da violência em nosso Estado.
Como era de se esperar, a postura do Governo foi de reforçar as palavras do deputado, através dos Coronéis Dário César e Luciano Silva, que atribuíram às lideranças a culpa dos atos praticados por alguns trabalhadores que estavam com os ânimos acirrados.
O movimento chegou a divulgar nota de repúdio aos representantes da Secretaria Estadual de Defesa Social e do Comando Geral da PM “pela forma ameaçadora, abusa e arbitrária em desfavor aos líderes militares, especialmente ao Major Wellington Fragoso (presidente da ASSOMAL), sargento Teobaldo de Almeida  (presidente da ASSMAL), Cabo José Soares (presidente da ACS), Cabo Wagner Simas (presidente da ASPRA)".
Alagoas, que há cerca de 10 anos estava em 11º no Racking de homicídios, está em 1º lugar. Enquanto o número de homicídios continua crescendo muito acima da média nacional, o Governo Estadual desrespeita aqueles que estão lutam diariamente para manter a segurança da sociedade alagoana caótica. Pior, persegue os grevistas e, quando forja um diálogo, apresenta proposta vergonhosa.
O Governador Teotônio Vilela Filho aparece na mídia com um sorriso descarado, na maior pose de receptivo e democrático. Mas, na realidade, evita negociar com o movimento e abriu processo administrativo-disciplinar para punição dos grevistas, baseado na decisão judicial que considerou a greve como ilegal. Dessa forma, os três poderes aliados tentam impossibilitar a mobilização. Por enquanto, não está funcionando, vamos ver por quanto tempo os servidores suportam.

Parlamentares do Legislativo passarão a receber 100% de reajuste enquanto os servidos públicos receberão menos de 10%

Enquanto Vilela propõe não mais que 7% de aumento para a categoria, os deputados derrubaram, por 20 votos a 1, veto do governador ao projeto de lei que versa sobre o reajuste, em mais de 100%, dos salários dos próprios. Isto é, os 27 parlamentares do Legislativo Estadual passarão a receber pouco mais de R$ 20 mil, ao invés dos atuais R$ 9,6 mil - quando o funcionalismo público receberá apenas 5,91% de reajuste. Isso revoltou os grevistas. E quem não fica revoltado com isso? Só os comparsas dos picaretas mesmo!

O povo sem educação e a barbárie aumentando

            Analfabetismo e homicídios em Alagoas se mantêm ganhando do restante do Brasil. No Estado mais carente em educação, a violência cresce assustadoramente. O Governo e os municípios não têm comprometimento com a educação, e para piorar, também não se preocupam com a segurança pública, de modo que a situação está ficando incontrolável.
Conforme o “Mapa da Violência 2011 – Os jovens do Brasil”, elaborado pelo Instituto Sangari, entre os jovens alagoanos, os índices de assassinatos são tão absurdos que passaram a ser incomparáveis no mundo inteiro, com as taxas acima de 100 vítimas jovens a cada 100 mil.
            A situação é tão grave que se fala em epidemia e, as propostas para combatê-la são a integração das forças de segurança, combate à corrupção policial e campanha do desarmamento. Excluindo o combate à corrupção, as demais alternativas vão de encontro a opinião de muitos que defendem a democracia e/ou a transformação desta forma de sociabilidade.
            O interessante é que pouco se fala (ou fala, mas nada faz) na raiz do problema – a educação –, mas sim em medidas paliativas. É a velha história: “Tapar o sol com a peneira”.
            Isso me fez lembrar a aula de história do personagem do ator pernambucano Irandhir Santos, o Fraga, em Tropa de Elite II, onde ele analisa os dados da população carcerária:

“Prisão hoje é um lugar extremamente caro pra tonar as pessoas piores (...) Só pra vocês tenham uma idéia: Em 1996, a população carcerária brasileira era de 148 mil presos. Hoje, 10 anos depois, a população carcerária é de mais de 400 mil presos. É mais que o dobro, é quase o triplo. Eu fiz uma conta. É... perversa, que evidentemente não presta. Imagina, professor de história fazendo conta é um desastre. Mas essa aqui eu faço questão de compartilhar com vocês. Pelo seguinte: eu percebi que a população carcerária brasileira, ela dobra em média a cada 8 anos, enquanto que a população brasileira dobra a cada 50 anos. Se continuarmos com isso aqui, em 2081 a população brasileira será de 570 milhões – ou seja, seus filhos, seus netos, seus bisnetos – enquanto que a população carcerária será brasileira será de 510 milhões. Seus filhos, seus netos e seus bisnetos, ou seja, 90% dos brasileiros vão estar na cadeia. Mas não se preocupem, que essa situação aqui melhora, em 2083, todos os brasileiros vão estar morando aqui, num condomínio fechado como esse aqui (apontando para uma maquete de presídio)”.

            Imaginem que, se o Poder Executivo e Legislativo continuarem nesse caminho do mal, vai ser difícil sobreviver neste mundo. Se por um lado a expectativa de vida aumenta devido a queda na mortalidade infantil e desenvolvimento científico e tecnológico, diminui devido à criminalidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário