segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

E o salário ó! Mínimo entra em vigor amanhã.



O senado aprovou, a presidenta petista sancionou e amanhã está valendo a esmola para os trabalhadores, denominada salário mínimo.
Durante a campanha, falava-se em R$600,00 (seiscentos reais); depois, R$540,00 (quinhentos e quarenta); já a proposta das centrais sindicais governistas (CUT, CGTB, CTB e Força Sindical) supostamente era R$580,00 (quinhentos e oitenta). No final das contas o foi definido o valor de R$545,00 (quinhentos e quarenta e cinco). Até parece que isso não estava definido mesmo antes da campanha!
Seria interessante que esses picaretas provassem o sabor de viver com essa esmola. É óbvio que jamais os parlamentares vão aprovar o salário mínimo para eles mesmos. Enquanto dão um reajuste de 4,5% para o povo; dobram os próprios salários nas caladas das noites.

Afinal, o que é o salário mínimo? Mínimo para quê? Mínimo por quê?

O tal do salário mínimo não garante sequer que as pessoas tenham acesso aos mínimos direitos sociais e constitucionais. A realidade é que para uma pessoa ter o mínimo de qualidade de vida, precisa ganhar pelo menos R$2000,00 (dois mil reais). E não é preciso uma grande pesquisa para confirmar isso, apesar de existir, basta ir a um supermercado fazer a feira mensal para uma família pequena.
Aí alguns vão dizer que aumentar o salário a esse ponto seria um problema muito grande para a economia. Têm toda razão. Inflação, desvalorização da moeda, crise. É isso mesmo. E daí? Se o sistema não consegue se manter vivo, morra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário