sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Alagoas: índices vergonhosos

VIOLÊNCIA
Em 10 anos, Maceió registrou a maior alta no índice de homicídios do país, ultrapassando Rio de Janeiro (terceira mais violenta) e São Paulo (quarta mais violenta). Para cada 100 mil habitantes, a capital alagoana teve 97,4 mortos. O número de homicídios em Maceió cresceu 219% em 10 anos. Maceió atingiu a liderança do ranking de homicídio juvenil entre todas as cidades brasileiras, algo até então inédito para uma capital. A segunda colocação também é de um município de Alagoas (Arapiraca, com média de 206 assassinatos por cada 100 mil).
O número de homicídios em Alagoas também cresceu muito acima da média nacional e, em 10 anos, fez o Estado liderar o ranking de mortes violentas entre as unidades da Federação. Entre 1997 e 2007, o número de homicídios aumentou 186,4%, enquanto o restante do país registrou crescimento de 17,8%.
Com isso, Alagoas passou da 11ª para a 1ª colocação entre os estados, com taxa de homicídio de 59,6 para cada 100 mil habitantes.
Fonte: Mapa da Violência 2010

ANALFABETISMO
De acordo com os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), entre os Estados que estão longe do desempenho ideal no ensino médio, a maioria é das regiões Norte e Nordeste. Pará, Alagoas e Piauí têm piores resultados. Na avaliação da 4ª série/5º ano do ensino fundamental, 11 não cumpriram as metas previstas para o País em 2009. Todos são das regiões Norte (Amazonas, Amapá e Pará) e Nordeste (Pernambuco, Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe, Bahia e Alagoas). Na avaliação das séries finais, de 5ª à 8ª, o pior desempenho foi o de Alagoas, com nota 2,9.
Segundo o resultado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Pnad/IBGE), relativa ao ano de 2009, o Nordeste ainda possui o maior índice de analfabetismo, quase o dobro da média brasileira. Mesmo assim, o número caiu de 22,4% da população para 18,7% na região em cinco anos. Alagoas tem o pior indicador, de 24,6%. Assim como Paraíba e Piauí, tem mais de 20% da população acima de 15 anos analfabeta.

MORTALIDADE INFANTIL E EXPECTATIVA DE VIDA
Alagoas apresenta a maior taxa de mortalidade infantil do País. Para cada 1.000 bebês nascidos, 48,2 bebês são mortos antes de um ano de vida. É quase o dobro da média nacional, que está em 23,6 bebês mortos para cada mil nascidos vivos.
Alagoas também está entre as menores expectativas de vida do Brasil, com média de 67,2 anos, perdendo para o Piauí (69,3) e Acre (71,7).

POBREZA
Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Alagoas tem menor diminuição acumulada na taxa de pobreza absoluta. Em 2008, o Estado registrou a maior taxa de pobreza absoluta (56,6%), seguido do Maranhão (55,9%) e Piauí (52,9%). Esse resultado mostra que houve um aumento da pobreza, em relação a 1995, onde os estados com maior taxa de pobreza absoluta eram: Maranhão (77,8%), Piauí (75,7%) e Ceará (70,3%). Alagoas também liderou o ranking da pobreza extrema no ano de 2008, apresentando (32,3%), seguido do Maranhão (27,2%) e do Piauí (26,1%).


10 Estados brasileiros mais violentos
Alagoas 59,6*
Espirito Santo 53,6
Pernambuco 53,1
Rio de Janeiro 40,1
Distrito Federal 33,5
Mato Grosso 30,7
Pará 30,4
Mato Grosso do Sul 30
Paraná 29,6
Roraima 27,9

10 capitais mais violentas do Brasil
Maceió 97,4*
Recife 87,5
Vitória 75,4
João Pessoa 56,6
Porto Velho 51,3
Belo Horizonte 49,5
Salvador 49,3
Porto Alegre 47,3
Curitiba 45,5
Fortaleza 40,3


* homicídios por cada 100 mil


Nenhum comentário:

Postar um comentário